O que é CDB e como ele funciona

Se você já guarda seu dinheiro na poupança, só que está insatisfeito com a rentabilidade? Se está em busca de diversificação de capital? Mas não quer perder a segurança e a facilidade que a poupança oferece?

Então, continue a leitura que iremos explicar sobre o Certificado de Depósito Bancário (CDB), que também é muito conhecido no mercado.

O que é o CDB?

O Certificado de Depósito Bancário (CDB) é um tipo de investimento de renda fixa, muito parecido com a poupança. Ele é preferido pelos bancos, pois quando você investe, o seu dinheiro é emprestado para o banco, que utiliza em empréstimos e financiamentos.

Quais as vantagens de aplicar no CDB?

  • Esse ativo é muito fácil de operacionalizar, precisa somente de uma conta em instituição financeira;
  • Sua rentabilidade é maior que a poupança;
  • Possibilidade de liquidez diária (alguns tipos permitem que você retire o seu dinheiro a qualquer momento);
  • O Fundo Garantidor de Crédito (FGC) protege seu capital de até 250 mil;

E quais as desvantagens?

  • O CDB é tributado;
  • Valor mínimo de investimento é maior que do Tesouro Direto, como outros concorrentes.

Entenda a sua tributação

Como a maioria dos investimentos, qualquer título de CDB escolhido, ele será tributado pelo IR (Imposto de Renda) e pelo IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

O Imposto de Renda é calculado de forma regressiva, ou seja, quanto mais tempo deixar seu dinheiro investido, menor a alíquota a ser paga. E o pagamento será é retido no momento do resgate, não necessitando efetuar pagamento de guia. Segue abaixo a regra das alíquotas:

  • Investimentos de até 180 dias = alíquota de 22,5%
  • De 181 a 360 dias = alíquota de 20%
  • De 361 a 720 dias = alíquota de 17,5%
  • Acima de 720 dias = alíquota de 15%

Já o IOF é incidindo quando resgatar seu capital antes de 30 dias, após esse período ele é isento.

Entenda os tipos de CDB

No mercado financeiro brasileiro, existem alguns tipos de CDBs comercializados, que são: prefixados, pós-fixados e híbridos. Cada um possui particularidades diferenciadas de prazos, rendimentos, dentre outros.

Entenda abaixo as regras de cada um:

  • Prefixados: no momento de sua aquisição já define sua rentabilidade fixa até a data do vencimento, evitando surpresas na hora do resgate. Caso decida por essa modalidade, é importante negociar a taxa cobrada, para ter maior ganho;
  • Pós-fixados: são os títulos que sua rentabilidade irá variar de acordo com o indexador escolhido, geralmente a Taxa Selic ou o Certificado de Depósito Interbancário – CDI. Dessa forma, ele variará de acordo com as oscilações do mercado, o que poderá ter um ganho melhor ou pior que a prefixada;
  • Híbridos: eles tem uma parte da rentabilidade prefixada e outra parte pós-fixada. Alguns títulos oferecem por exemplo, pagamento da rentabilidade 2% + CDI.

Como investir?

Como falado anteriormente, ele é um tipo muito fácil de adquirir e operacionalizar. Segue abaixo os passos para investir agora mesmo:

1.      Defina seu planejamento

Nessa etapa, você deve conversar com você mesmo e analisar o seu objetivo de curto e longo prazo. Após isso, trace o seu planejamento, coloque no papel esses objetivos definidos, as metas e os prazos, assim facilitará na escolha do tipo ideal para você.

2.      Abertura da conta

A conta corrente deve ser aberta em uma instituição financeira, podendo ser em banco ou corretora de valores.

Antes de abrir, faça uma cotação nessas instituições e verifique qual oferece os títulos mais vantajosos. Geralmente, os melhores títulos são ofertados pelas corretoras, pois elas têm comercializam vários títulos disponíveis no mercado. Ao contrário dos bancos, que comercializam somente os títulos próprios.

3.      Escolha o título

Após escolher a instituição que lhe ofereceu melhor rentabilidade. Você deve avaliar qual título (prefixado, pós-fixado ou híbrido) condiz com o seu planejamento. Você pode escolher somente um ou diversificar o seu capital.

4.      Aquisição

Ufa! Agora é a parte mais fácil, compre seu título! Ele pode ser adquirido com o gerente e/ou consultor ou até mesmo online.

Ah! Não esqueça que após a aquisição você deve acompanhar de perto seus títulos, verificando se eles estão de acordo com seu planejamento. Caso não esteja, avalie novamente os títulos.

Como você viu, o Certificado de Deposito Bancário (CDB) não é um bicho de sete cabeças. Invista agora mesmo e comece a fazer seu dinheiro trabalhar para você.

Você curtiu este post sobre CDB? Então deixe um comentário neste texto e compartilhe, com a gente e com os nossos demais leitores, a sua opinião e as suas ideias sobre o assunto!

Leave a Reply